You are currently viewing Uma péssima educação, contra o amor aos estudos

Uma péssima educação, contra o amor aos estudos

Somos incapazes de ter um interesse verdadeiro pelos estudos e a desordem com que fomos educados tem algo a ver com isso.

Lemos sobre química, da inorgânica à orgânica, e suas complexas reações, sem antes termos misturado sequer os ingredientes de pão ou tê-lo colocado no forno;

Ouvimos sobre o conceito de seiva bruta e elaborada das plantas, suas reações químicas, as trocas gasosas e de energia da fotossíntese, sem antes termos cultivado sequer algumas pequenas mudas de árvore em algum quintal;

Calculamos velocidades, a energia cinética e mecânica, a massa dos planetas, as variáveis do tempo-espaço, sem antes conhecermos as constelações mais básicas e visíveis a olho nu.

Estudamos a literatura brasileira sem antes ter ouvido falar das inspirações clássicas que moveram nossos artistas a suas criações mais notáveis;

Também fomos obrigados a escrever redações sobre assuntos pelos quais nutrimos somente indiferença.

Então, tratando-se da nossa educação, é comum vermos exemplos iguais ou similares a esses em nosso país, onde coisas maravilhosas e interessantes acabam se tornando apenas memórias de tédio e obrigações vazias.

Ainda que a educação seja feita de momentos duros e de grandes esforços, deve entender-se como um padecimento, por amor, ao que desejamos aprender, excluindo daqui somente os estudos ocasionais, por obrigação de trabalho ou outra demanda diferente.

Lembremos também que nos educamos porque queremos contemplar as coisas belas, boas e verdadeiras do mundo, colocando-as mais próximas de nós.

Para isso, se faz necessário primeiro admirar o que, na ordem certa de inspiração, vem antes das observações mais específicas e complexas.

Aprendamos, portanto, a admirar e expressar essa admiração juntamente com os poetas, possuir um olhar como o de quem buscava maravilhar-se com as coisas. Só depois passemos a observar os detalhes complexos das coisas, então com um interesse sincero e devidamente nutrido.

Deixe um comentário